• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Nota de repúdio da CUT RJ sobre interferência de Furnas na participação sindical

Atuação do dirigente sindical e membro do Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE), Igor Henrique, sofreu ataque na 37ª Audiência Ordinária da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel)

Publicado: 16 Outubro, 2019 - 15h32

Escrito por: CUT Rio

Divulgação
notice

Nós da CUT RJ vimos por meio deste registrar nosso total REPÚDIO à recente tentativa de interferência de Furnas-Eletrobras na participação de um dirigente sindical em uma audiência na Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Numa clara tentativa de influenciar negativamente a atuação do dirigente sindical e membro do Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE), Igor Henrique Israel Silva, o senhor Luiz Carlos Ciocchi, diretor-presidente de Furnas, uma das empresas do Sistema Eletrobras, encaminhou ao SINERGIA-Campinas em 11/10, uma correspondência em que tenta desqualificar e invalidar a atuação do referido sindicalista na 37ª Audiência Ordinária da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), ocorrida no último dia 08/10.

Igor Henrique tem um histórico de atuações ratificado pelo seu sindicato, tem se destacado na luta contra a privatização do Sistema Eletrobras e, na ANEEL, se manifestou de forma contundente em defesa do emprego dos mais de 1.000 trabalhadores(as) contratados de Furnas que sofrem ameaça de demissão.

A defesa dos direitos desses empregados parece ter ferido a direção de Furnas, aliada à presidência da Eletrobras e seus planos questionáveis de sangramento da maior empresa de energia elétrica da América do Sul.

O movimento sindical tem sofridos repetidos golpes dos governos recentes que tentam esvaziar e enterrar uma luta histórica que trouxe direitos e justiça para os trabalhadores do Brasil. Tentativas de desmoralização do movimento e de seus representantes são constantes, mas a resposta dos trabalhadores e trabalhadoras e de suas representações legítimas é dada nas ruas!

Em defesa da soberania nacional, contra as privatizações e o sucateamento da Educação, temos enchido as ruas das maiores cidades de Norte a Sul do país com manifestações pacíficas e bem articuladas, que repercutem internacionalmente através das mídias comprometidas com a verdade. Os comprometidos com um discurso capitalista de exploração e destruição não têm logrado êxito em sufocar nossas vozes.

As alegações de Furnas para tentar invalidar a intervenção e o discurso do sindicalista em favor dos trabalhadores ameaçados e contra a entrega da Eletrobras à iniciativa privada são frágeis e infundadas, dada a notável atuação de Igor Henrique, respaldado por seu sindicato.

Diante de tudo isso, ratificamos nosso REPÚDIO às perseguições e coações de qualquer natureza que não serão suficientes para calar nossa voz, nem os brados das ruas, em defesa do emprego dos trabalhadores(as), na luta contra a privatização das empresas públicas, pelo serviço público de qualidade e por justiça social!