• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Bancários são reintegrados ao Bradesco em Campos dos Goytacazes

Publicado: 18 Dezembro, 2020 - 18h04

Escrito por: Bancários de Campos dos Goytacazes

Divulgação
notice

Três bancários demitidos há dois meses pelo Bradesco foram reintegrados nesta sexta-feira, 18, e estão de volta ao trabalho na agência Centro de Campos dos Goytacazes (RJ). Mais dois bancários que foram demitidos no período da pandemia, da agência da Pelinca e do município de Itaocara, também já têm decisão favorável da Justiça e aguardam apenas a confirmação da data para a reintegração.

Gustavo Braga, Rafaela Esterque e Fabrícia Almeida foram recebidos pelos colegas da agência, ao lado dos dirigentes do Sindicato dos Bancários de Campos dos Goytacazes e Região. Foram dois meses de apreensão e de muita luta do jurídico do Sindicato até chegar a boa notícia.

Aos 47 anos, Gustavo começou a carreira como bancário em 1995, ainda no HSBC. De volta ao cargo de gerente de pessoa jurídica, fez questão de agradecer o apoio do Sindicato. “Foi difícil, mas o tempo todo o Sindicato me orientou, esteve ao meu lado, e hoje finalmente posso voltar ao trabalho”. Rafaela, 30, entrou no Bradesco em 2009. A demissão em outubro foi inesperada. “Pra mim foi um baque, mas graças a Deus e ao apoio do Sindicato a justiça foi feita”. Rafaela retorna ao cargo de gerente exclusive, o mesmo de Fabrícia, 41, que começou em 2005 a carreira no Bradesco. “Minha vida parou nesses dois meses e a demissão me pegou de surpresa, principalmente porque havia um acordo para que não fossem feitas demissões neste período, mas felizmente mais uma vez o Sindicato mostrou sua força”, ressaltou Fabrícia.

Segundo o presidente do Sindicato, Rafanele Alves Pereira, o Bradesco demitiu 33 bancários e bancárias somente nos últimos dois meses na base de Campos dos Goytacazes e Região. “É lamentável a postura do banco de descumprir o acordo para não demitir neste momento difícil, com nossa categoria exposta ao vírus, trabalhando incansavelmente, enquanto os banqueiros seguem lucrando. Mas vamos continuar lutando para reverter todas essas injustiças”, disse Rafanele.